• O Chefe do Executivo, Dr. Chui Sai On, presidiu à Reunião Plenária de 2018 do Conselho para o Desenvolvimento Económico

A Reunião Plenária de 2018 do Conselho para o Desenvolvimento Económico (CDE) realizou-se hoje (dia 11) no Centro de Convenções e Exposições da Doca dos Pescadores de Macau e foi presidida pelo Chefe do Executivo, Dr. Chui Sai On, para a qual foram convidados os membros do Conselho Executivo. O Chefe do Executivo afirmou que a ideia geral para o desenvolvimento económico da RAEM consiste no progresso simultâneo em dois aspectos: o fortalecimento das próprias qualidade e capacidade do desenvolvimento e o reforço da cooperação regional.

O Dr. Chui Sai On exprimiu, no uso das palavras, que Macau caminha, junto com a Pátria, rumo a uma nova era e depara-se, neste importante momento, com oportunidades de desenvolvimento sem precedentes. Macau continua a acelerar a construção do Centro Mundial de Turismo e Lazer e da Plataforma de Serviços para a Cooperação Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, participar de forma proactiva na construção da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau e de “Uma Faixa, Uma Rota”, acelerar a integração no panorama do desenvolvimento global do País. Actualmente, a economia de Macau continua a registar melhorias, com uma baixa taxa de desemprego e estabilidade financeira, e verifica-se uma melhoria da qualidade de vida e do trabalho da população. Manter-se-á uma conjuntura de crescimento estável, em geral, para Macau.

Ele considera que devido à complexidade e mudança constante da conjuntura internacional, a RAEM deve tomar precauções para melhor enfrentá-la. Presentemente e num determinado prazo no futuro, a ideia geral para o desenvolvimento económico da RAEM continua a ser o seguimento das instruções do Presidente Xi Jinping no sentido de aumentar persistentemente as próprias qualidade e capacidade do desenvolvimento e reforçar a cooperação regional. Macau vai, na liderança e apoio do Central, empenhar-se em reforçar o planeamento de modo a promover o desenvolvimento económico, prevenir os riscos económicos, impulsionar, em articulação com o Central, o planeamento estratégico significante com ponto de partida mais alto, nível mais alto e objectivo mais alto, aproveitar as oportunidades de promover o desenvolvimento económico de Macau em via de alta qualidade, servir a conjuntura geral do desenvolvimento do País através da construção de “um centro, uma plataforma” de acordo com o posicionamento de “atender às necessidades do País e potenciar as vantagens próprias de Macau”, incentivar a nova dinâmica para a diversificação adequada da economia, concretizar a programação dos trabalhos do Plano Quinquenal, por forma a promover o desenvolvimento adequadamente diversificado e sustentável da economia de Macau, dando novos contributos para a implementação firme e duradoura da grande causa “um país, dois sistemas”.

O Chefe do Executivo manifestou gratidão pelo trabalho desempenhado pelos membros do CDE durante o último ano e espera que os membros possam continuar a congregar e propor opiniões favoráveis e apresentar sugestões valiosas relativas aos diversos aspectos de desenvolvimento económico da RAEM.

Na reunião, fizeram os balanços dos trabalhos realizados no último ano os chefes das 3 secções para estudos de políticas sob a égide do CDE nas áreas da diversificação adequada da economia, dos recursos humanos e do desenvolvimento da economia de bairros comunitários, e o Secretário para a Economia e Finanças, Sr. Leong Vai Tac, apresentou a actual situação e as perspectivas para o próximo ano da economia local.

O chefe da secção para estudo das políticas da diversificação adequada da economia, Sr. Sio Chi Wai, exprimiu que se realizaram, este ano, 3 reuniões ordinárias desta secção em que se procederam às discussões profundas de vários assuntos, a saber: a Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau, o desenvolvimento da região metropolitana da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau e o aperfeiçoamento do regime de autorização de fixação de residência temporária pelos “Projectos de Investimento Relevantes”, bem como foram apresentadas as opiniões e sugestões sobre a Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau em torno das áreas como o modelo de passagem fronteiriça, a logística, o fluxo de passageiros e a eficiência económica. Além disso, esta sessão incumbiu, no ano passado, 2 instituições de ensino superior de Macau, de proceder a 2 estudos sobre o desenvolvimento do sector de jogo a partir do ponto de vista de diversificação adequada da economia. Actualmente, a equipa de estudo está a optimizar ainda mais o conteúdo do estudo.

O chefe da secção para estudo das políticas dos recursos humanos, Sr. Vong Kok Seng, acrescentou que decorreram já, no corrente ano, 4 reuniões ordinárias desta secção nas quais, respectivamente, foram discutidos, de forma profunda, os temas referentes à melhoria das condições relativas a recursos humanos em Macau, ao desenvolvimento das indústrias emergentes, em especial as questões sobre recursos humanos da indústria de convenções e exposições, às políticas de recursos humanos em prol da cooperação regional em matéria da construção da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau e da abertura da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau, bem como à optimização do regime de autorização de fixação de residência temporária de “quadros dirigentes e técnicos especializados”, sendo apresentadas as opiniões e sugestões nessas matérias.

O chefe da secção para estudo das políticas do desenvolvimento da economia de bairros comunitários, Sr. Chui Sai Peng, mencionou que os membros desta secção, juntamente com os do grupo especializado interdepartamental, promoveram, em 2018, sucessivamente, 3 reuniões ordinárias, nas quais trocaram impressões sobre os problemas públicos em vertentes dos 3 bairros que merecem ser melhorados, tendo sido iniciados os respectivos trabalhos. Nesta iniciativa, foram também apresentadas diversas opiniões e sugestões acerca do ambiente comunitário, do fornecimento de electricidade, dos transportes, da promoção, do ambiente de negócios, etc. Após organizadas as opiniões e sugestões, essas foram transmitidas aos 17 serviços e organismos competentes, obtendo-se basicamente respostas positivas dos mesmos.

Leong Vai Tac manifestou que a conjuntura económica global de Macau em 2018 permaneceu relativamente estável, reforçando continuamente a resiliência da economia global. O Governo da RAEM continuará a articular com a posição de Macau de “Um Centro, Uma Plataforma” e o Plano Quinquenal de Desenvolvimento da RAEM, promover, seguindo o princípio de “atender às necessidades do Pais e potenciar as vantagens próprias de Macau”, a colaboração activa com a iniciativa do País de “Uma Faixa, Uma Rota” e a participação na construção da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, envidando todos os esforços para o máximo e adequado aproveitamento das medidas preferenciais concedidas pelo estado a Macau, empenhar-se, baseando na “manutenção de estabilidade, adaptando-se às mudanças e procurando alcançar o progresso”, em fortalecer, de forma incessante, a resiliência económica da RAEM e em acelerar o desenvolvimento da diversificação adequada da economia, reforçar-se, de mãos dadas com a comunidade empresarial e os cidadãos locais, a capacidade de controlo, adaptação e resposta às mudanças, dando respostas seguras e diversificadas perante situações de mudança, transformando-as em oportunidades, procurar-se a integração activa da RAEM no contexto do grande desenvolvimento nacional e o aproveitamento das novas oportunidades derivadas da nova era, consolidar-se as bases privilegiadas para o fomento da inovação do desenvolvimento, pretender-se ser assegurada a estabilidade por meio da inovação e ser dinamizado o desenvolvimento por meio da estabilidade, esforçar-se para criação de um sistema industrial moderno competitivo em termos internacionais, concretizando um processo cíclico promissor, envolvendo desenvolvimento económico e melhoria da qualidade da vida da população, tudo isso contribui para o fomento do desenvolvimento sócio-económico de alta qualidade da RAEM e o maior reforço do papel da RAEM no contexto do desenvolvimento económico e da abertura ao exterior do País.